Fechar

Állex Leilla

BLOG: www.allexleilla.blogspot.com LIVROS PUBLICADOS: Urbanos (1997 - contos), Obscuros (1999, contos), Henrique (2001, romance), O sol que a chuva apagou (2009, novela), Primavera nos Ossos (2010, romance) e Chuva Secreta (2013, contos). Antologias: Antologia Panorâmica do Conto Baiano – Século XX (2004, participação), 25 mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira (2004, participação), Antologia 15 Cuentos brasileros (2007, bilingue, participação), Antologia 50 versões de amor e prazer (2012, participação) e antologia Wir Sind Bereit: Junge Prosa aus Brasilien (2013, bilíngue, participação)

Perfil

Állex Leilla nasceu em Bom Jesus da Lapa/BA. Professora na Universidade Estadual de Feira de Santana, doutora em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais, mestre em Letras e Linguística e graduada em Letras pela Universidade Federal da Bahia, é casada com o poeta João Filho e vive em Salvador.

Publicou em 1997 seu primeiro livro, Urbanos (contos), resultado do prêmio para autores inéditos da BRASKEM e Fundação Casa de Jorge Amado. Em 1999, publicou Obscuros (contos), pela Editora Oiti. Em 2001, lançou Henrique (romance), pela editora Domínio Públicco. Recebeu menção honrosa, em 2000, no Prêmio Redescoberta da Literatura Nacional da Revista Cult, com o livro Os elefantes (contos), cujo título foi modificado posteriormente para Elefantes submersos (ainda inédito).

Participou da Antologia Panorâmica do Conto Baiano – Século XX, organizada por Gerana Damulakis, e publicada pela editora da UESB, em 2004. Também em 2004, participou da antologia da Record 25 mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira, organizada por Luiz Ruffato, com o texto “Um elefante”. O conto “Ruínas” foi rescrito para integrar a Antologia 15 Cuentos brasileros, edição bilíngue, organizada por Nelson de Oliveira, e publicada pela editora argentina Comunicarte, em 2007. Em 2009, publicou a novela O sol que a chuva apagou, pela Editora P55.

Em 2010, lançou o romance Primavera nos ossos, selecionado pelo Programa Petrobras Cultural, e editado pela Casarão do Verbo. Também em 2010, ganhou o 20° Concurso de Contos Luiz Vilela, com o texto “Felicidade não se conta”. Em 2012, participou da antologia 50 versões de amor e prazer, organizada por Rinaldo de Fernandes e publicada pela Geração Editorial.

Teve o conto “Não se esqueça de pisar firme no coração do mundo” selecionado para a antologia Wir Sind Bereit: Junge Prosa aus Brasilien, com tradução de Marlen Eckl e publicação da editora alemã Lettrétage, que foi lançado na Feira de Frankfurt, em outubro de 2013. Em 2013, também publicou o livro de conto Chuva Secreta, pela editora Casarão do Verbo.

Entre os assuntos mais recorrentes na produção literária de Állex Leilla estão o sentido da vida; a condição complexa e paradoxal do ser humano que é gregário e, ao mesmo tempo, profundamente solitário; os encontros e desencontros amorosos; o desejo sexual e afetivo; o erotismo; as agruras da criação estética; as exclusões existenciais, culturais, sexuais e sociais; a tragicidade do mundo.

Participa de eventos e festas literárias, como a 4ª Bienal da Bahia (Café Literário), 9ª Bienal da Bahia, lançamento de Chuva Secreta (Café Literário), 3ª Festa literária internacional de Cachoeira – Flica (palestra e lançamento de Chuva Secreta) e 1ª Festa literária internacional da Chapada Diamantina – FLICH (mesa redonda e lançamento de Chuva Secreta).

O próximo projeto da escritora é uma trilogia que engloba misticismo, existencialismo e erotismo; se passa entre oeste, sudoeste e sul da Bahia, e tem como mote principal o desejo de evolução espiritual dos seus personagens que buscam um livro raro, no qual estariam explicadas as origens e razões da existência humana.